7ª Parte: História das Franciscanas de Dillingen - Educação Social Gratuita

III - ESCOLA INFANTIL TUPÃ-SY (Mãe de Deus)

tupa

O Centro Franciscano Tupã-Sy foi fundado em 1994, na Aldeia de Amambai/MS.
Nossas irmãs começaram com um ônibus móvel que se deslocava dentro da Aldeia, procurando auscultar os gritos deste povo indígena Guarani Kaiowa e os seus anseios. Aos poucos, foram descobrindo que a fome atingia muitas crianças e não tinham o apoio necessário das autoridades competentes. Percorriam longos caminhos na esperança de atingir seis aldeias espalhadas na grande área que compõe o polo base de Amambai, ajudando a minimizar a fome e falta de esperança.

Nosso papel na Aldeia não é converter o indígena à nossa Religião, mas mostrar os valores que eles possuem como pessoas humanas e resgatar sua cultura e dignidade.
É muito desanimador saber que os indígenas não têm vez, nem voz na sociedade. Não recebem emprego na cidade, a não ser nas usinas, onde perdem a saúde por trabalho árduo. Muitos voltam doentes ou gastam o que ganham com bebidas e drogas.
Respondendo à má notícia da indiferença, nossas irmãs são presença de alegria para as crianças. Após o trabalho com o ônibus, construímos salas onde as mães podiam vir costurar. Uma senhora voluntária, D. Alzira, ensinava às indígenas cortar e costurar roupas para os filhos com retalhos trazidos por Frei Álido, OFM, de Santa Catarina. Enquanto as mães costuravam, as crianças brincavam e recebiam uma alimentação sadia.
Com o tempo, tivemos que transformar o trabalho social numa escola, pois reuníamos crianças na localidade.

Mas o Curso de Costura ainda funciona em algumas épocas. No ano de 2014, dois grupos diferentes foram preparados para costurar nas máquinas pertencentes ao Centro Franciscano Tupã-Sy.
Mais salas foram construídas e o Projeto ampliado. Assim, em 29/10/2010 foi criada a Escola Infantil Tupã-Sy, primeira escola infantil dentro de uma aldeia indígena.
São mais ou menos sessenta a setenta crianças atendidas por nossas irmãs.
Como as crianças não falam Português e, sim, o Guarani, as professoras são indígenas. Quando são alfabetizadas, elas aprendem o Português na Escola Municipal dentro da Aldeia. São crianças muito dóceis e amigas.
Nós oferecemos um trator e remuneramos um tratorista para preparar a terra dos indígenas que querem plantar para o consumo da família.
Sem trabalho, sem saúde, sem esperança, sem uma luz no fundo do túnel, muitos indígenas jovens se suicidam, o que nos faz sentirmos impotentes diante desta situação.
A escola oferece espaço para mães gestantes serem cuidadas por uma enfermeira remunerada pela Prefeitura. São orientadas quanto ao cuidado do bebê, cuidado pessoal e hábitos de higiene.
A luta não é apenas dos indígenas, mas também nossa e de todos aqueles que têm coragem de restaurar o rosto desfigurado destes nossos irmãos que, nesta Terra de Santa Cruz, vivem uma pesada Cruz.

IV - UNIDADE ROSA RASUCK

Rasuk

Estamos falando de Colégios, não porque nosso trabalho se esgota em colégios, mas porque mencionamos as duas primeiras escolas fundadas aqui na Baixada Fluminense e a importância destes Colégios para ajudar outras crianças que residem em área de vulnerabilidade social.

Temos o cuidado de dar a estas crianças, que estudam nas escolas gratuitas, a mesma formação e a mesma atenção das crianças que estão nas escolas pagantes.

A Unidade Rosa Rasuck surgiu de um desejo do Sr. José Salim Rasuck de transformar a casa de sua mãe em uma obra onde crianças seriam beneficiadas. Sendo assim, em 2001, as Irmãs Franciscanas de Dillingen receberam esta doação e, após a demolição da casa, foi construída uma escola gratuita, com o mesmo nível de aprendizagem do Colégio Santa Maria. Lá se aceita somente crianças provindas de área de vulnerabilidade social. As famílias são visitadas e são escolhidas aquelas de famílias mais carentes.
A Unidade Rosa Rasuck situa-se na Rua da Matriz, 119, centro de São João de Meriti/RJ. Praticamente é uma extensão do Colégio Santa Maria.
Lá são atendidas neste ano de 2015, 312 crianças do 1° ao 5° ano do Ensino Fundamental. As crianças são bem preparadas para enfrentarem qualquer Colégio da Rede Pública de Ensino.

Além da gratuidade, recebem material escolar, uniforme e alimentação. Pela boa alimentação que recebem na Unidade Rosa Rasuck, nome da mãe do Sr. José Salim Rasuck, as crianças têm um bom desenvolvimento físico e, também, bom desempenho na aprendizagem.
Graças à generosidade da família Rasuck e o trabalho das irmãs, muitas vidas se tornam mais vidas, preparadas para o enfrentamento da sociedade.

 


  • visitas 672