3ª Parte

Como foi expresso anteriormente, nossas irmãs chegaram a Cabo Frio/RJ, como primeiro lugar de missão. Lá havia uma escola que fora abandonada pelas Irmãs de Itapegipe, num momento de dificuldade da história delas. O Bispo de Niteroi, Dom José.


Pereira Alves instalou nossas irmãs nesta casa e escola. (Acima está o grupo das pioneiras com Ir. Luisa que falava bem o alemão. (Ir. Luisa era da Congregação das Irmãs Beneditinas de Twitzing (Alemanha) e ajudou as nossas irmãs nos primeiros meses de estadia em Cabo Frio).

Primeiro grupo de Irmãs que chegaram em Cabo Frio/RJ no dia 22/05/1937: Irmãs Adelheid Stammler; Liebharda Fischer; Reisindes Mayer; Walgildes Eichberger Brunhilde Schneider e Raphaelis Köglmayer.

3Historia mosaico

Aos dias 04 de junho de 1937, antes mesmo de completar dois meses de presença em Cabo Frio, deu-se a abertura da escola para a alegria do povo cabo-friense. Era véspera da comemoração de São Bonifácio – Missionário da Alemanha. Com toda certeza, como missionárias alemãs, esta lembrança trouxe para elas mais confiança de que Deus abençoaria sua missão.

 

Assim, no dia 05 de junho, sob a proteção de Deus, iniciaram-se as aulas com 38 alunos, número que gradativamente foi crescendo até atingir 78, no mesmo ano.

A vida escolar em contato com os professores, alunos, que às vezes faziam “chacota” com as palavras que elas diziam em Português, e também com os pais e o povo da localidade, favorecia o processo de aprendizagem da língua. Aos poucos, os ouvidos foram se abrindo e as irmãs iam ganhando maior confiança.

Paralelamente ao trabalho na escola, elas também se dedicaram ao cuidado do Asilo Santa Isabel e de três órfãs. Abriram o leque para a catequese e outros serviços, conforme os apelos da Igreja local e dos tempos.

No ano seguinte – 1938 – chegou mais um reforço. Onze irmãs deixaram seu torrão natal e vieram juntar-se ao pequeno grupo aqui no Brasil. Aos dias 11 de fevereiro chegaram: Irmã Nikasia Walz e Irmã Marzella Schömmig. Em Junho, dia 02, chegaram as seguintes irmãs: M. Gertraud Golhammer, M. Reintrudis Kirchmayer e M. Christholda Hübler. Aos 09 de setembro vieram: M. Adhelwiga Linse, M. Nepomucina Barnickel, M. Raimunda Silberleiter, M. Claudia Schmid e M. Edelgard Klein. 



Destes grupos, somente Irmã Claudia Schmid está viva e completou no dia 02 de dezembro de 2014, 100 anos de vida e dedicação ao nosso país, em especial ao povo da sofrida Baixada Fluminense que ela tanto amou e dedicou com carinho de missionária feliz.

Irmã Nicole Oblinger, ao lado de Ir. Claudia, sua sobrinha, da mesma Congregação nossa, veio da Alemanha para representar a família.

Deus seja louvado por Irmã Claudia e as outras pioneiras!

A chegada de todo este grupo trouxe muita alegria, mas, ao mesmo tempo, um grande problema: o sustento, a situação financeira. Sentiram que era necessário ampliar o campo de trabalho, pois a “Dama Pobreza” as abraçara em dura realidade. A necessidade de prover o sustento das irmãs originou uma fundação em Rio Bonito/RJ para onde se transferiram seis irmãs desta grande equipe (Ir. Nikasia Wolz, I. Walgildes Eichberger, Ir. Raphaelis Köglmaier, Ir. Adhelwiga Linse, Ir. Claudia Schmid e Ir. Nepomucina Barnickel).

Não obstante, com o tempo, a falta de alunos deixou novamente as irmãs em situação penosa. A escolinha supria apenas o aluguel. Na busca de meios de sobrevivência, os dons aplicados em corte e costura, bem como bordados, tornaram-se também meios para atender as principais necessidades financeiras.

A permanência em Rio Bonito durou pouco. Não havia perspectiva de futuro. Sempre atentas, nossas irmãs ouviram que o sonho de Deus estava em outras paragens – São João de Meriti/RJ. Os Franciscanos da OFM, na pessoa de Frei Justo Scheidger, solicitaram Irmãs Franciscanas de Dillingen para abrirem uma escola cristã em São João de Meriti/RJ – Baixada Fluminense. Acreditavam que as atividades educacionais favoreceriam a vida paroquial. E, numa segunda-feira de carnaval, 05 de fevereiro de 1940, o Convento de Rio Bonito se transferiu para São João de Meriti/RJ.

Por iniciativa própria, Frei Paulino, homem experiente em atividades escolares, já havia matriculado 200 alunos, mesmo antes da chegada das irmãs. O Colégio Santa Maria, do qual falaremos no próximo informativo, cresceu muito em número e qualidade ao longo dos anos, sob o olhar da Mãe de Deus.

Visite nosso site: http:/www.franciscanasdedillingen.org.br

(Continuação no próximo número do “Pilar” e do Jornal “Bendito” de Rio das Ostras).




 


  • visitas 1037