• foto1.jpg
  • foto2.jpg
  • foto3.jpg
  • foto4.jpg
  • foto5.jpg
  • foto6.jpg
  • foto7.jpg
  • foto8.jpg
  • foto9.jpg
  • foto1.jpg
  • foto2.jpg
  • foto3.jpg
  • foto4.jpg
  • foto5.jpg
  • foto6.jpg
  • foto7.jpg
  • foto8.jpg
  • foto9.jpg

Um grupo de trinta e oito irmãs participaram do retiro anual em preparação para o Ano Santo sobre a Misericórdia. O tema do retiro foi: “Misericórdia, um rosto para se reconhecer, contemplar e servir”. (Papa Francisco)

Foram quatro dias e meio de grande aprofundamento da Parábola do Filho Pródigo. Todas as irmãs ficaram encantadas e mexidas com as palestras muito bem orientadas por Frei Éderson

Queiroz - (Presidente da Conferência da Família Franciscana do Brasil). Foi sensacional como ele trabalhou o texto de Lc 15, 11–13 todos estes dias, destrinchando o texto através de verbos significativos, iniciativas, encontro, o silêncio do Pai e a confissão do Filho, atitudes, processos, liberdade, simbolismos, alegria, festa e dança.

Cada personagem: Filho mais novo, Pai, Filho mais velho, sempre voltando para o quadro do pintor Rembrandt, foi analisado de maneira profunda, onde encontrávamos resquícios do ser humano. Cada um de nós representa um destes personagens em um momento de nossa vida.

Alguns pensamentos nos chamaram a atenção na explanação do Frei Éderson:

“Somente quando aprofundamos no que significa deixar a casa, podemos entender realmente a volta”.

“As pessoas fechadas em si mesmas não conseguem alegrar-se com as alegrias dos outros porque não amam”.

“Não há realidade humana por mais miserável possível que não possa ser lugar de misericórdia”.

“Aceitar o amor gratuito e a bondade limitada de Deus é muito difícil”. “O filho mais velho representa fechamento e rejeição diante do amor”.

“A figura do Pai nunca foi totalmente apagada do coração do filho mais novo, por isso a encontrou quando olhou para o mais profundo de si mesmo”.

Olhando para a pintura de Rembrandt, descobrimos três caminhos para uma verdadeira paternidade: compaixão; perdão e generosidade.

Foi feita também uma celebração muito significativa do perdão com todas as irmãs. E, no dia seguinte, fomos para a Catedral. Antes de entrar na Porta Santa o Frei fez uma curta homilia sobre o passar pela porta e em procissão entramos até os bancos da frente e rezamos a Laudes com as pessoas que estavam na Igreja naquele momento.

Cada irmã ficou realmente tocada e prometeu para si mesma vivenciar com ardor este Ano da Misericórdia e que ele nos ajuda e sermos como o Pai; misericordiosas sempre!

Foi um retiro muito especial! 

(Colaboração: Ir. Sueli Rubens  Sendra)


  • visitas 1457